EU SEI QUEBRAR PESCOÇO!

Na minha infância, sempre fui um cagão contumaz. Desde cumprimentar os transeuntes até arriscar um beijo “despretensioso” nos lábios de Luísa — esta crônica está no Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho. Mas não era só isso! Eu tinha um medo absurdo de apanhar. Pouquíssimas foram as vezes que ouvi a frase espectral que ressoava nos corredoresContinuar lendo “EU SEI QUEBRAR PESCOÇO!”

“BOM DIA, DONA LOURDES”

Na semana passada, disse que uma das coisas que sentia falta do meu antigo trabalho, era do Naldo, o canalha honesto. Hoje, ao ir à santa missa e me deparar com um mar de cabelos brancos e grisalhos, me atentei à outra saudade: dona Lourdes. Como eu ia caminhando para o trabalho, passava todos osContinuar lendo ““BOM DIA, DONA LOURDES””

DIANTE DA MORTE, ABRACE!

Minha vó materna faleceu. Eu preciso escrever sobre isso. Eu preciso deixar marcado em algum lugar os acontecimentos destes últimos dias. Coisa de escritor. Ora, se não houvesse esta vontade obsessiva de relatar as marcas do tempo por meio das palavras, que tipo de escritor seria eu? Eis me aqui, sentado na poltrona do meuContinuar lendo “DIANTE DA MORTE, ABRACE!”

EU SOU UM BOSTA

Há tempos escrevi uma crônica intitulada Podres de Mimados, na qual eu tirava sarro de um pessoal descolado que ansiava por um mundo que se adequasse a eles, e não eles ao mundo. Gente preocupadíssima com pronome neutro, com gordofobia, veganismo, banheiro trans e otras cositas más. Repare que eu, em relação a estes progressistas,Continuar lendo “EU SOU UM BOSTA”

30 ANOS NA CARA, 30 REGRAS PARA A VIDA

Meus queridos, como hoje é o meu aniversário de 30 anos, decidi refletir sobre os maiores aprendizados que tive neste período. Destes aprendizados, formulei 30 regras para a vida. É claro que o meu objetivo aqui, com as 30 regras, não é dar-lhes uma fórmula pronta para uma vida melhor. Deus me livre! Quero apenasContinuar lendo “30 ANOS NA CARA, 30 REGRAS PARA A VIDA”

“TOCA UMA PRA MIM?”

Preciso confessar algo aos meus fãs. Não para os fãs do Guilherme escritor, mas do Guilherme músico. Não são muitos, talvez a minha mãe e mais uns três. Larguei o violão! Deixei aquele sonho de viver de música, na gaveta, há, pelo menos, uns dois anos. Há uns dois anos que também não componho umaContinuar lendo ““TOCA UMA PRA MIM?””

SEM AMOR, EU NADA SERIA

Não caibo em mim de emoção! No dia de ontem, 27 de janeiro de 2022, foi o lançamento do meu terceiro livro, o Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho. Entretanto, apesar de ser o meu terceiro livro, foi o primeiro que fiz um evento de lançamento. Sim, meu leitor, um evento com música ambiente, banner, jornalista, umContinuar lendo “SEM AMOR, EU NADA SERIA”

Meu Terceiro Livro: Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho

Sim, meus queridos, o meu terceiro livro está pronto! Para quem chegou assim, de supetão, deixe-me dar-lhe um resumo do que é o Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho: NINGUÉM DEVERIA ENVELHECER SOZINHO é uma obra confessional. Todas as crônicas, os artigos, os poemas, os contos e as palavras que estão neste livro são uma tentativa quaseContinuar lendo “Meu Terceiro Livro: Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho”

Você já abraçou seus pais hoje?

Lembro-me quando eu, ainda criança, pequenino e cabeçudo, olhava para meus pais com olhos rútilos de admiração. Eram dois gigantes, não só pelo tamanho em relação a mim, mas pelo amor incondicional que sempre recebi de ambos. Ao ficar doente, dor de barriga, dor de ouvido ou algum resfriado qualquer, lá estava minha mãe, comContinuar lendo “Você já abraçou seus pais hoje?”

JOVEM, PORÉM, IDOSO

Já falei por aqui que a serra gaúcha é o melhor lugar do Brasil? Não sei. Se ainda não falei, agora está dito, escrito e postado aqui na internet. E por quê? Porque é lugar de velhos, anciões, patriarcas e matriarcas. Bem, talvez eu tenha exagerado, mas nem tanto, nem tanto. Uma coisa eu possoContinuar lendo “JOVEM, PORÉM, IDOSO”