POR QUE PROSTITUTAS NÃO BEIJAM NA BOCA?

Na última crônica, apesar de eu ter escrito palavras a dar com pau, percebi que não foram suficientes. A iniciei com uma indagação cuja resposta quero refletir agora. Ora, por que prostitutas não beijam na boca? Por que introduzir uma língua em uma boca é mais íntimo do que introduzir você-sabe-o-que no lugar que você-sabe-onde?Continuar lendo “POR QUE PROSTITUTAS NÃO BEIJAM NA BOCA?”

A MEDIDA DE AMAR É AMAR SEM MEDIDA

Confesso, leitor, que muitas vezes, sento-me aqui, nesta poltrona, e não sei bulhufas do que escrever. Tenho algumas ideias incompletas que vagueiam pelo limbo obscuro da minha inteligência limitadíssima, mas são só frases soltas. Eis que de uma frase solta, eis que de uma mísera palavra, ocorre-me uma lembrança, que faz a minha imaginação trabalharContinuar lendo “A MEDIDA DE AMAR É AMAR SEM MEDIDA”

O DESPERTAR DE UM CANALHA

Se tem algo que sentirei falta do meu antigo emprego, é do Naldo, cujo apelido se tornou espectral em minhas crônicas: Naldo, o Canalha Honesto. “Se é honesto, não é canalha! Se é canalha, não é honesto!” Pensaria, de maneira leviana, o leitor. Ora, o Naldo, na verdade, é um ex-canalha honesto. Hoje o homemContinuar lendo “O DESPERTAR DE UM CANALHA”

ELA É MUITO MELHOR DO QUE EU

Pensava, na véspera, sobre o fato inexorável e ululante de que tornei-me um homem melhor graças à minha mulher, a Adeline. É inegável! E veja você, leitor, o contraste monumental que há entre o Guilherme de 2018 e o Guilherme de 2022. Se colocasse, em um ringue, estes dois Guilhermes para se pegarem no soco,Continuar lendo “ELA É MUITO MELHOR DO QUE EU”

O TARADÃO DA RUA CEARÁ

Não sei se contei na véspera o que irei escrever agora, mas, se já contei, conto de novo. Uns três meses antes do meu casamento, apareci atônito em casa com a ideia de eu e a Adeline nos mantermos castos até o matrimônio. A resposta dela foi um tonitruante “Quê?!” Neste momento, abaixei a cabeçaContinuar lendo “O TARADÃO DA RUA CEARÁ”

Meu Terceiro Livro: Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho

Sim, meus queridos, o meu terceiro livro está pronto! Para quem chegou assim, de supetão, deixe-me dar-lhe um resumo do que é o Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho: NINGUÉM DEVERIA ENVELHECER SOZINHO é uma obra confessional. Todas as crônicas, os artigos, os poemas, os contos e as palavras que estão neste livro são uma tentativa quaseContinuar lendo “Meu Terceiro Livro: Ninguém Deveria Envelhecer Sozinho”

AS TRÊS FRAQUEZAS DO HOMEM

Eu não me canso de ouvir o Naldo, o Canalha Honesto. Você, leitor, aposto que também não. O homem já se tornou espectral em minhas crônicas e em minhas lembranças. Hoje trago mais uma de suas teorias. Minto! Teoria é coisa de intelectual que vive a vida em sua alcova se masturbando e lendo autoresContinuar lendo “AS TRÊS FRAQUEZAS DO HOMEM”

O CASAL DE MEIO SÉCULO

Como chegar nas bodas de ouro? Cinquenta anos ao lado de alguém; alguém que lhe conhece desde a casca até as entranhas. Confesso a você, leitor, que quando me deparo com um homem e uma mulher cujo tempo de convivência ultrapassa o meio século, encanto-me. Ora, estou diante de um milagre! E ratifico: quanto maisContinuar lendo “O CASAL DE MEIO SÉCULO”

O PERFIL DO HOMEM CORNO

Estes dias pensava sobre o adultério. Ora, qualquer um que passe por esta existência fugaz, recebe algumas certezas de Deus, cujas marcas ficam cravadas na alma logo após o nascimento. A morte é uma delas. A outra é o chifre. Talvez você esteja pensando: “Se eu tomei, não fiquei sabendo.” Então, provavelmente, você tomou. EContinuar lendo “O PERFIL DO HOMEM CORNO”

Significado é força

A maioria das relações no mundo líquido não são feitas para durar. Ok! Já estamos fartos de saber disso. Mas há um componente fundamental que faz toda a diferença: significado. Quando as coisas passam a perder o seu verdadeiro significado, quando tudo passa a ser relativo, o indivíduo se desorienta diante da realidade. Lembro-me deContinuar lendo “Significado é força”