“NADA É ERRADO SE TE FAZ FELIZ”

Na última crônica, quase fui cancelado por adultos gamers, moleques viciados em pornografia e homens barbados que são fãs da série Friends. Hoje, talvez, eu seja cancelado por fãs de sertanejo universitário, fãs de Bob Marley ou por qualquer um que viva proferindo frases vazias por aí como se fossem as palavras mais profundas queContinuar lendo ““NADA É ERRADO SE TE FAZ FELIZ””

Significado é força

A maioria das relações no mundo líquido não são feitas para durar. Ok! Já estamos fartos de saber disso. Mas há um componente fundamental que faz toda a diferença: significado. Quando as coisas passam a perder o seu verdadeiro significado, quando tudo passa a ser relativo, o indivíduo se desorienta diante da realidade. Lembro-me deContinuar lendo “Significado é força”

PLAYSTATION, FRIENDS E O TESÃO DA MULHER

Vendi meu Playstation 4. Sim. Um dos últimos resquícios de infantilidade aqui de casa, se foi. Agora só falta eu. Digo isso, pois todo homem carrega em si alguma infantilidade. É só reparar quando amigos homens se encontram por aí nos botecos, nas farmácias, nas esquinas, nos mercados. As mulheres muitas vezes não entendem deContinuar lendo “PLAYSTATION, FRIENDS E O TESÃO DA MULHER”

JOVEM, PORÉM, IDOSO

Já falei por aqui que a serra gaúcha é o melhor lugar do Brasil? Não sei. Se ainda não falei, agora está dito, escrito e postado aqui na internet. E por quê? Porque é lugar de velhos, anciões, patriarcas e matriarcas. Bem, talvez eu tenha exagerado, mas nem tanto, nem tanto. Uma coisa eu possoContinuar lendo “JOVEM, PORÉM, IDOSO”

Rua General Osório, 460

E cá estou mais uma vez no meu refúgio infantil, na minha base de vida, no meu início de gente; na casa simples que morei nos meus primeiros dezoito anos, na rua General Osório, 460. Enquanto escrevo, minha mãe faz o almoço no fogão a lenha. O calor do fogão aquece todo o ambiente. Ah,Continuar lendo “Rua General Osório, 460”

O CANALHA DESONESTO

Na última crônica, contei em detalhes o dia em que quase faleci. Isso me fez lembrar de outra vez em que quase bati as botas. Esta história envolve sexo, traição e ciúme possessivo. Se você tem menos de dezoito anos, é melhor parar de ler esta crônica por aqui, caso contrário, não me responsabilizo pelaContinuar lendo “O CANALHA DESONESTO”

Eis aí outra de minhas obsessões sexuais: o contraste

Nunca gostei de motéis. Sempre preferi um galpão abandonado do que motéis. Escrevi uma crônica há uns dois anos sobre isso. Lembro-me até hoje do meu argumento infalível e irrefutável: no motel, tudo é sexualizado. A cama, o teto, as paredes, o banheiro, tudo. O sexo, o desejo entre o casal, é apenas mais umaContinuar lendo “Eis aí outra de minhas obsessões sexuais: o contraste”

O DIA EM QUE EU QUASE FALECI

Por pouco não passei desta para melhor, ou pior. A gente ainda não sabe o que nos espera no outro lado. O ateu militante se oporá: “Não há ‘outro lado’. Após morrer, tudo acaba!” Sempre desconfiei de quem tem certezas sobre a morte. Qualquer ser humano minimamente são, é capaz de conceber a incerteza doContinuar lendo “O DIA EM QUE EU QUASE FALECI”