ESTRANHO

Enquanto a água do chuveiro descia pelo corpo suado de Fábio, seus pensamentos o agonizavam por completo. O homem ainda ofegava, tentando concentrar-se no que acabara de fazer. Seus músculos rígidos ainda pulsavam. Baixou a cabeça e passou a encarar os azulejos cor bege daquele banheiro estranho. Pegou um sabonete estranho para limpar suas imundícies.

“Sou um canalha!”

Uma música estranha se iniciou em algum cômodo estranho. Fábio secou-se com uma toalha estranha e permaneceu em um silêncio sepulcral.

“Sou um pulha!”

O homem foi até o quarto estranho e procurou suas roupas. Assim que as encontrou, vestiu-as apressadamente. Uma mulher estranha veio ao seu encontro e perguntou-lhe:

— Mas já? — Fábio apenas assentiu. — Está de brincadeira, né? — disse ela, com as mãos na cintura, exibindo seu corpo nu.
— Preciso ir! — respondeu, mas sequer encarou-a face a face.

A mulher estranha o fitou com um desprezo sincero, como quem diz: “Cadê aquele homem de meia hora atrás que me desejava como se eu fosse a última mulher do mundo?” Ela não precisou dizer nem mais uma palavra para demonstrar sua ira.

Fábio saiu às pressas daquela casa estranha. Caminhou por algumas ruas estranhas até, enfim, chegar em frente à sua casa. Logo que adentrou pela porta, sua namorada lhe recebera com um sorriso primoroso e então beijou-lhe os lábios.

— Que cara estranha, Fábio. Como foi o seu dia hoje?
— Estranho, só digo isso, estranho. Quer casar comigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s