NOTA LITERÁRIA #09 – A METAMORFOSE (FRANZ KAFKA)

a-metamorfose-4

 

Imagine-se em uma certa manhã, você acorda, sente-se um pouco estranho e percebe que se encontra na condição de uma barata. O que aconteceria? Quais seriam suas primeiras sensações? Como sua família iria reagir a isso? Quais seriam seus novos desafios?

A Metamorfose se trata de um clássico, logo, para ler um clássico e entendê-lo é necessário experiência mundana. Por isso que podemos ler os mesmos clássicos a vida inteira, e, mesmo assim, sempre nos ensinarão algo novo.

Ao ler A Metamorfose, ficamos angustiados de sentir Gregor na pele de uma barata tentando se comunicar com sua família e sofrendo com o novo corpo. Mas a maior preocupação de Gregor, não era o fato de estar naquela condição de inseto, mas de não poder mais trabalhar, pois em sua casa, apenas ele labutava enquanto o pai, a mãe e a irmã, apenas usufruíam de seu salário.

Os três integrantes da família tiveram que arrumar trabalho para sobreviverem enquanto Gregor estava incapacitado dentro de seu quarto; e isso, ao passar do tempo, foi gerando um ressentimento da família com aquele inseto, que cada vez mais era esquecido em seu quarto até morrer de inanição.

A escrita é crua e sem rodeios, seguem as notas que marquei:

Certa manhã, ao acordar após sonhos agitados, Gregor Samsa viu-se na sua cama, metamorfoseado num monstruoso insecto.

«À força de levantar cedo», pensou, «tornamo-nos completamente estúpidos. O ser humano necessita de dormir.

Mas, ao mesmo tempo, não podia deixar de se lembrar que uma reflexão ponderada valia por qualquer decisão desesperada.

Por que diabo Gregor se encontrava condenado a um emprego onde, ao mínimo deslize, era suspeito do pior?

de liberdade que apesar de tudo experimentava ao olhar pela janela. Porque, de facto, de dia para dia, ele via cada vez com menos nitidez, mesmo as coisas mais distantes;

Agora, ele sentia-se naturalmente mais senhor do seu corpo do que antes,(…)

(…)ao tirarmos estes móveis, não estaremos a mostrar que abandonamos toda a esperança de que ele melhore, deixando-o cruelmente entregue a si mesmo?

vestido com uma farda azul com botões dourados, tal como vestem os contínuos nos bancos, o seu poderoso duplo queixo assente sobre a rígida gola alta do seu casaco; sob umas sobrancelhas espessas, uns olhos negros lançavam olhares vivos e vigilantes; os cabelos brancos, outrora emaranhados, dispunham-se agora cuidadosamente penteados, separados por uma risca impecável.

E se, devido àquela ferida, Gregor perdera em definitivo uma parte da sua mobilidade, sendo-lhe necessários, para atravessar o quarto, como um velho inválido, longos, longos minutos – quanto a deambular lá pelo alto, isso era impossível –, apesar de tudo, como compensação pelo degradamento que sofrera no seu estado, recebeu uma compensação que considerou bastante satisfatória: com frequência, ao cair do dia, abriam-lhe a porta que dava para a sala, porta essa que ele observava atentamente com duas horas de antecedência, e assim, deitado na obscuridade do quarto, não sendo visível dessa sala, podia ver a sua família reunida à mesa sob a luz do candeeiro, e escutar as suas conversas, com consentimento tácito, ao contrário de outrora.

Só quando as duas mulheres o levantavam pelos braços ele abria os olhos, olhava para cada uma e dizia invariavelmente: – Eis a minha vida! É este o repouso dos meus dias de velhice!

Então, a mãe, apontando para o quarto de Gregor, dizia: «Fecha lá essa porta, Greta.» Era quando Gregor ficava na obscuridade, enquanto na sala ao lado as duas mulheres misturavam as suas lágrimas, ou, pior ainda, olhavam fixamente a mesa sem chorar.

Seria mesmo um animal, se a música o comovia àquele ponto? Ele possuía a sensação de conhecer o caminho que conduzia ao alimento desconhecido que desejava.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s