O INFINITO

Quando paramos pra pensar onde estamos e o que somos, concluímos que não passamos de grãos de areia no meio do infinito. Eu estou em um bairro, dentro de uma cidade, que está dentro de um estado, que está dentro de um país, que está dentro de um continente, que está dentro do planeta Terra, que está dentro do Sistema Solar, que está dentro da Via Láctea, que está dentro do infinito.

Sou um homo sapiens, estou dentro da família hominidae, que está dentro da super-família hominoidea, que está dentro da subordem haplorrhini, que está dentro da ordem dos primatas; e toda vida terrena evoluiu durante bilhões de anos. Bem-vindos à complexidade do universo.
Refletir sobre o infinito é uma tarefa angustiante, mas compensadora. Nos coloca em nosso lugar; nos dá uma noção do que é a vida e o que somos diante da imensidão do universo. É claro que nesta discussão entra Deus. Ele não poderia faltar. Mas se o Universo é infinito, então ninguém o criou, logo, Deus não existe. Por outro lado, se todo efeito precisa de uma causa, há possibilidades que Ele exista. Deus, o motor primordial do universo; mas então acabo de entrar em outra indagação: quem criou Deus? Já que tudo deve ter uma causa, Deus também precisa de uma.

Os devotos dirão que Deus é incriável, Ele apenas “é” porque “é”. Respeito a fé alheia e em certos momentos a invejo. A invejo porque acreditar piamente em um Deus bondoso ou em uma religião específica não é uma questão de escolha, você apenas sente que aquilo faz sentido e abraça o invisível com todas as suas forças. E este invisível funciona! Será que são os ateus que não acreditam em Deus, ou Deus que não acredita nos ateus? Será que Deus escolhe os que irão lhe seguir? Pode ser. Já disse aqui que não sou ateu, mas agnóstico. E este agnosticismo se faz presente em mim justamente por causa da imensidão do universo. Quando paro para refletir sobre o infinito, entro em pane: como pode tudo isso sair do nada? Deve haver alguma força pensante por trás. E será que esta força é do bem ou do mau? Será que são vários Deuses ou apenas um?

Por isso me declaro agnóstico, pois não sei se existe ou não existe um deus. No fundo, espero que exista, e que Ele seja bom e justo. Mas corremos um grande risco de não existir, ou se caso existir, Ele não seja tão bom assim. Entendem como este assunto é complexo e cheio de mistérios?! Não quero aqui diminuir com a fé de ninguém, mas este é um assunto que me deixa intrigado, e precisava expor isso de alguma forma. Vejo o agnosticismo como uma questão de humildade, porque justamente não há como comprovar nada quando entramos neste assunto – pelo menos até agora. Apenas digo: não sei.

Lendo o livro “Bilhões e Bilhões” de Carl Sagan, percebemos o quão ínfimos somo diante do universo. Já pararam pra pensar que a distância entre o Sol e a Terra é de 149,45 milhões de quilômetros? Que a Terra começou a se formar há 4,5 bilhões de anos e que nós, homo sapiens surgimos há apenas 200 mil anos? Que a estrela mais próxima do nosso Sistema Solar está a apenas 4,37 anos-luz de distância e que a galáxia mais próxima da Via Láctea está a cerca de 2,5 milhões de anos-luz. A velocidade da luz é aproximadamente 300.000 km/s, eu disse, por segundo! Ou seja, a cada 1 segundo a luz percorre 300.000 km. Isso é fascinante. Agora imagine viajar a 300.000 km/s e demorar 2,5 milhões de anos para chegar ao seu destino.

Desde que comecei a estudar sobre o universo, me fascino a cada descoberta. Acho imprescindível todos nós termos uma percepção de onde estamos e o que há fora do nosso tão amado planeta Terra, pois ter essa percepção nos dá uma certa medida e nos faz acordar no outro dia um pouco menos arrogante.

Publicado por Guilherme Angra

É escritor e psicanalista. Publicou seu primeiro livro em março de 2018, Quando a Vida Vale a Pena: Reflexões sobre o Amor e Outras Doenças. Depois disso, publicou seu primeiro romance em fevereiro de 2020, o Depois de Nós. Escreve textos semanais em suas redes sociais desde 2018. Em 2021 iniciou seu maior projeto até então, o Querido Sobrevivente, que tem como objetivo ajudar as pessoas a construírem uma vida com substância. Faz postagens regularmente em suas redes sociais trazendo reflexões da vida como ela é, e oferece atendimento psicoterapêutico de forma online e presencial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: